quarta-feira, 8 de março de 2017

Dia Internacional da Mulher: vale a pena brindar? Água ou Barca Velha?



Dedico este texto à minha Mãe e Sofia,

O dia 8 de março, Dia Internacional da Mulher, é o ponto culminante da luta iniciada no final do século XIX para alcançar igualdade de direitos e importância da mulher na sociedade moderna. E sinceramente acho que estamos a dar um dia às mulheres e a parabenizar por não terem pénis.

Senão vejamos: o mundo hoje anda todo florido, com tiras cor de rosa espalhadas nas vitrines, com chocolates especiais e todos catitas para dar às mulheres, jantares especiais, lingerie toda xpto nas montras para oferecer à "sua mulher" (aqui a palavra "sua" soa um acto de pertença), sugestões de vinhos, etc etc etc, hoje até parece um dia de saldos...até roulotes de farturas andam espalhadas nas ruas com o intuito de comemorar o Dia da Mulher.

Enquanto ocorrem celebrações puramente comerciais, toda esta “celebração do sexo feminino” enquanto deveria ser um dia para lembrar todos os problemas ainda enfrentados pelas mulheres e o que está sendo feito para mudar esse cenário, enquanto a situação continuar assim com parabéns e florzinhas só está a tapar o sol com a peneira.

Por isso este dia desperta-me reflexões ambíguas, mesmo pegando no ponto fulcral: - igualdade de direitos e importância da mulher na sociedade moderna. Por um lado a importância do dia enquanto celebração histórica da conquista de direitos civis e políticos das mulheres e na não aceitação de qualquer divisão dos seres humanos em categorias em termos de direitos e dignidade. Por outro lado nos restantes 364 dias, por esse mundo fora, ainda se vislumbram violações dos direitos fundamentais e na categorização das mulheres como sendo "diferentes".

Sem prejuízo da importância que cada um possa atribuir a este dia não creio que haja necessidade disso... sugiro que se "harmonize" com um copo de água.
Não me considerem um militante do pcp ou do be (reparem que escrevo as siglas com letras pequeninas)

Mas já que estamos perante um dia de celebração prefiro homenagear a sua feminilidade e delicadeza equilibradas pela força, que as permite suportar e vencer desafios no dia a dia. A isso brindo...ergo o copo e ajoelho-me perante minha Mãe e minha Esposa, Grandes Mulheres. Para aqui a "harmonização" sugiro com certeza um Barca Velha.

Ricardo Soares

Sem comentários:

Enviar um comentário