domingo, 11 de março de 2018

Esmero 2016 Branco


Parafraseando Miguel Torga, diria que este vinho "é uma coisa imensa, que não cabe numa teoria, num poema, num dogma, nem mesmo no desespero inteiro dum homem.", in "Diário (1941)".
Confesso que me tenho afastado um pouco dos "Douros", por diversos motivos, mas nos vinhos do Eng. Rui Soares encontro o meu porto seguro. Desde que conheci este vinho, este produtor, que o Douro permanece em toda a sua plenitude dentro de um vinho. Aliás, quando tenho um Esmero ou um Mimo digo sempre, em jeito de brincadeira: "caramba o Rui Soares esmerou-se"...

É um vinho que provém de vinhas com mais de 50 anos, com muita frescura, cítrico, cheio de garra e grande persistência de prova, complexo e aromas intensos a fruta, apetece-me dizer fruta duriense, e floral, elegância e equilíbrio na acidez.

Nunca gostei de citar a bíblia mas neste caso encaixa-se na perfeição: "Tudo quanto está ao teu alcance faze-lo com esmero. Eclesiastes 9,10"... e o Eng. Rui Soares esmerou-se.

Ricardo Soares

Sem comentários:

Enviar um comentário