domingo, 18 de março de 2018

Esmero tinto 2003

Há uma história que vos quero contar, uma pequena lição de vida, espero que tenham um pouco de paciência:

"Era uma vez um menino apaixonado por patins. Pediu aos pais, implorou, tanto fez que um dia conseguiu. Ficou muito feliz com o par de patins, tão feliz que os guardou muito bem embrulhadinhos dentro da caixa no armário. Não os usava com medo de estragar. O tempo foi passando e os patins guardados. Mais tarde, ele lembra-se e sente saudade deles. Corre para calçá-los e tem uma surpresa: os patins não servem nos seus pés. O menino, acometido de uma profunda tristeza, chora e lamenta os anos perdidos, lamenta o que não vai mais poder recuperar."


Por isso entrego-me cegamente ao impulso que me arrasta e abro este Esmero tinto 2003. Não quero cometer o mesmo erro, de deixar passar o tempo e nada me servir. Estou vivo e quero viver. Hoje...Hoje...Hoje... Não quero lamentos. Quero o dia de hoje. Ainda por cima os vinhos Esmero são a minha paixão Duriense. É um vinho esperto, seivoso, com alma, e tendo alma, entra mais na alma que muitos poemas e canções. Um vinho que vale a pena sonhar e encontrá-lo, desejar e exercê-lo, este Esmero é uma virtude...um vinho que apetece, acalma, requer requinte e cuidados, fala connosco, para encher o copo devagar, com precauções clássicas...

Por favor, não me peçam a prova organoléptica, espero que me entendam. Hoje não. Neste vinho há uma infinitude de possibilidades.
Deixem-nos a sós. Entre marido e mulher não se mete a colher.

Ricardo Soares



Sem comentários:

Enviar um comentário